Siga-nos no twitter!

Pipocando boas ideias em 140 caracteres.

Baby Blue Template

Just like its name, this template is so cute. Suitable for your lovely baby blog. With pink and blue color, soft and smooth. Download it now.

Baby Blue Template

Just like its name, this template is so cute. Suitable for your lovely baby blog. With pink and blue color, soft and smooth. Download it now.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Outra carta de Savana

pipocado por Elvino Pinheiro às 1:58:00 PM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem
08 de dezembro de 2011.


Recebo outra carta de Savana. Sim, ela está viva. A notícia que havia sumido depois de outra lipoaspiração foi um exagero, segundo suas próprias palavras. Savana, como se sabe, sempre se interessou por política, embora afirme que só Deus pode julgar suas férias com Dilma em Guarapari, num passado não tão distante. Savana continua ativa, à frente de sua ONG, as Mulatas Socialistas, indo até... Vamos deixar que ela mesmo conte em sua carta, escrita em tinta grená num papel ébano, com um batom dourado, aromatizada com "Posséder Moi", um perfume novamente condenado pelo Papa em recente homilia.

Vinny Viníssimo! Como vai, sweet heart? Sim, sou eu mesma; e não, eu não estava morta. Estava em Trípoli, o que é pior. Fui até lá, pois achei que o Fifo (como eu costumava chamar o Khadafi) iria gostar de minha ajuda para restabelecer a ordem na Líbia. Levei minhas companheiras Mulatas Socialistas, e a "Prima" Vera me sugeriu uma festa um tanto quanto progressista, para aliviar um pouco dos ânimos daquela gente! Era tão progressista, honey, que até Fifo perdeu a cabeça, literalmente!!! Ainda tentaram me fazer Ministra do Interior, mas só aceitaria se aqueles homens raspassem suas barbas e outros lugares mais meridionais. Primitivos, recusaram, e resolvi tirar férias, na companhia de Makin, um nativo que sabe tirar minha burca como ninguém.

Enfim, como estarei por aí no Natal, avise ao Gabriel que quero uma festinha progressista só com vocês dois. Ele é tão gracinha, honey... E maior por dentro do que por fora!

Nos falaremos em breve. Beijos estalantes,
Savana

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Meu erro

pipocado por Elvino Pinheiro às 9:03:00 AM
e então... 
3 comentários Links para esta postagem
08 de fevereiro de 2011.

Sim, é verdade:
Você partiu meu coração.
Negue à vontade,
Diga “é bobagem”...
A autópsia me dará razão.

quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Iron Man

pipocado por Hítalo Rios às 4:48:00 PM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem
Me escondo nessa armadura pra você pensar que sou forte. Mas aqui dentro meu nariz e olhos estão sempre vermelhos. Me julgue como quiser, mas de que outra forma eu sobreviveria? De que outra forma eu me tornaria imune à ignorância dos seus sentimentos? Se hoje ninguém me ouve chorando dentro desse elmo, o único culpado tem endereço. Mora em frente o pulmão esquerdo. Ao menos, me alivie provando a autenticidade daquele culpado. Não tenho medo do que possa ser revelado a mim. Só tenho medo de estar me defendendo de falsas declarações. Somos pequenas partes do que criamos, mas somos grandes partes do que é criado em nós.Vivemos pequenas partes de uma realidade, e grandes partes de uma ilusão. E isso a gente inclui dentro do nosso mundo. Aquele que a gente cria a favor do nosso egoísmo. Não tente fazer o que eu fiz. O que apresento não é uma solução. Apenas uma alternativa, que aliás, não deveria ser espelhada. Não sou melhor que você, que manipula o que vai expressar, sou tão vulnerável e atingível quanto todas as pessoas que você engana. Só precisa tirar essa armadura de mim.

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Einmal ist keinmal

pipocado por Pércio Faria Rios às 1:29:00 PM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem
30 de Setembro de 2010. Três dias para o 3 de Outubro que pode mudar ou não o rumo do país nos próximos quatro anos. E parece quase inevitavel não falar sobre política.
Primeiro erro do parágrafo inicial: não é possível mudar o futuro rumo do país, posto que ele não tenha, ainda, um rumo futuro e, ao mesmo tempo, tenha apenas um. Qualquer que seja ele, será diferente dos rumos imaginários que cada um de nós projetou. Qualquer que seja ele, será igual ao Futuro único que já existe desde o passado, e do qual não temos conhecimento algum. Vivemos no presente e uma só vez, o que já é, de certa forma, bastante cruel e castra boa parte de nossa liberdade. Fazemos escolhas? Não sei. Não podemos saber as consequências delas e estamos sempre tentados a comparações com as possibilidades das consequências das escolhas que nunca fizemos. Acreditar que temos controle sobre qualquer coisa é acreditar em abóboras invisíveis que deglutem tardes no mar morto. Elvino Pinheiro já escreveu um belo texto exemplificando essa situação. O provérbio alemão é igualmente preciso: einmal ist keinmal. Uma vez não conta. Uma vez é nunca.
Segundo erro: “inevitavel” está sem acento. Inevitável.
Terceiro erro: ___________________________________________________________.
Não queria falar sobre política, e não sei se estou falando; queria falar sobre unhas ou dedos, ou quem sabe juntar as duas coisas: Mindinho pra Deputado Estadual, Seu Vizinho pra Deputado Federal, Pai de Todos para Senador, Fura-Bolo para Governador e Mata-Piolho para presidente; quem não tem seis dedos pode anular o segundo voto para o Senado. Ainda haveria a possibilidade de colocar o Polegar Opositor num partido de esquerda.
O certo é que vamos às urnas no Domingo (nós que somos obrigados a ir ou a fingir que viajamos). Vamos repetir o gesto que repetimos de 2 em 2 anos e não sabemos o que vai se repetir durante o mandato dos sujeitos – com ou sem bons predicados – que vamos escolher. O certo é que o rio de Heráclito passa e, por mais que a política não mude e sempre se repita, nós mudamos e ela é, portanto, sempre diferente. Não podemos banhar-nos duas vezes nas mesmas politicagens, nas mesmas politicadas, nas mesmas enganações (engana-se mais quem pensa que não as tem). Nas eleições passadas eu tinha as unhas mais curtas e os dedos mais finos, entendem?
Termino aqui, então, a minha louvação ao povo brasileiro que acredita que algo pode ser diferente – e sempre é, como já vimos; que acredita na mudança do caráter de mentirosos como o Sérgio Cabral, que acredita na renovação da inteligência de gente como a Weslian Roriz, que acredita na reestruturação da integridade do Calheiros, do Collor, na conversão do Garotinho ao evangelho, do Crivella sobrinho do Macedo, no DEM, na seriedade do Tiririca, no talento de Netinho de Paula... Parabéns, Brasil! Você é foda!

terça-feira, 14 de setembro de 2010

Sobre o Ego

pipocado por Diego Augusto às 12:00:00 AM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem

terça-feira, 14

Agora me sou todo ideia, garanto. Quando se desbrava o caminho da Sabedoria, ergue-se-lhe a mão do sofrimento, e é impossível seguir adiante sem antes segurá-la. E não há volta.

Eu já fui como você, eu já tive os mais inocentes sonhos entrincheirados em minha pele. Quando jovem, meus olhos fitavam logo à frente um lindo futuro para as pessoas, olhos estes que hoje nada veem adiante ou acima, afinal tudo está abaixo de mim.

Segurei o mundo em minhas costas por muito tempo, recebendo em troca alguns sorrisos. Mais forte, porém, eu sentia a mão do sofrimento à medida em que eu contemplava mais intensa a Sabedoria, e então dos antigos sorrisos formavam-se olhares de inconformismo e hostilidade. Não conseguiam entender-me, por isso eu os deixei partir.

Esteja certo de que eu tenho poder para erguer de volta o mundo, mas não quero. Concedo ao mundo a democracia, concedo-lhe o livre-arbítrio de caminhar para a própria desgraça estampando em face o sorriso antes oferecido a mim. A felicidade é um mero escambo, hoje eu entendo.

Entendo, agora, que minha companhia me basta, pois sou pleno em mim, e nem mesmo o sofrimento teve forças o bastante para continuar a atormentar-me. Agora me sou todo ideia. Agora me sou todo Sabedoria.

•••••••••

Os ombros suportam o mundo

Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.

Tempo de absoluta depuração.

Tempo em que não se diz mais: meu amor.

Porque o amor resultou inútil.

E os olhos não choram.

E as mãos tecem apenas o rude trabalho.

E o coração está seco.

Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.

Ficaste sozinho, a luz apagou-se.

Mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.

És todo certeza, já não sabes sofrer.

E nada epseras de teus amigos.

Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?

Teus ombros suportam o mundo

e ele não pesa mais que a mão de uma criança.

(…)

Carlos Drummond de Andrade

(Sentimento do Mundo. In: Poesia e prosa (organizada pelo autor).

Rio de Janeiro, Nova Aguilar, 1988. Volume único.)

•••••••••

Eu esperava escrever algo completamente diferente para vocês, mas este texto explodiu dentro de minha cabeça quando eu li Drummond, há algumas semanas.

Abraços e até outubro.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

No Blues de um viajante

pipocado por Hítalo Rios às 1:57:00 PM
e então... 
1 comentários Links para esta postagem

Toda aquela chuva caindo do lado de fora do ônibus fazia parecer que o mundo chorava e compreendia a dor dentro do coração de um homem. A viagem iria demorar e ele ainda teria muito tempo para pensar no quanto a vida tinha sido injusta até agora. O viajante da poltrona ao lado lia uma Bíblia e ao mesmo tempo ouvia blues aos fones de ouvido. Tinha um semblante de serenidade e uma transparência de alguém que compreendia os pesares da vida. Sentiu que não podia perder a oportunidade de conversar um pouco com essa pessoa. Todos os aspectos lhe forçavam a pensar que estava do lado de um sábio que talvez estivesse disposto a lhe ajudar, mesmo que fosse só com alguns conselhos e dicas.

- Er... com licença.

O viajante que lia a Bíblia e escutava música parou com as duas coisas e se virou para ele.

- Opa! Aconteceu alguma coisa?

O sorriso no rosto do viajante fazia dele a pessoa mais simpática do mundo. Isso o impulsionou mais ainda a perguntar o que queria perguntar.

- Na verdade não. Você parece ser um cara que lê muito a bíblia, não é?

- Sempre que viajo. E estou sempre viajando!

Os dois riram juntos.

- Então. Posso lhe fazer uma pergunta esquisita?

- Só se eu puder lhe dar uma resposta esquisita.

Não era só simpático, mas tinha um humor natural que fazia bem aos ouvidos dos outros.

- Passei por maus bocados na minha vida e sempre me pergunto isso, e nunca encontro respostas.

- O que você se pergunta?

- Me pergunto como Deus pode ser uma onipotência benevolente! Sabe. Eu entendo o conceito disso, mas parece haver uma contradição aí.

- Sim. A contradição é a dor. A fome, as guerras, as doenças...

- Exatamente! Coisas terríveis acontecem com as pessoas, e às vezes nem são essas coisas que você citou, mas muitas pessoas sofrem bastante por conta de seus sentimentos. E toda essa tragédia humana é como uma prova de que Deus não pode ser simultaneamente todo-poderoso e bem-intencionado.

O viajante abaixou um pouco a cabeça, parecendo pensar. Mas logo se voltou para ele.

- Você tem filhos?

- Um dia espero ter.

- Imagina se tivesse um filho de oito anos. Você o amaria, certo?

- Mas é claro!

- E faria tudo o que pudesse para evitar que ele sofresse na vida?

- Com certeza.

- E deixaria que ele andasse de skate?

Essa pergunta o intrigou, mas continuou seguindo o raciocínio do viajante.

- Acho que sim. Mas diria a ele para ter cuidado.

- Quer dizer que, como pai desse menino, você lhe daria uns bons conselhos básicos e deixa ria que saísse e cometesse seus próprios erros?

- Eu não ficaria correndo atrás dele para mimá-lo.

- E se ele caísse e relasse o joelho?

- Ele aprenderia a ser mais cuidadoso.

- Então quer dizer que, mesmo tendo o poder de interferir evitar que seu filho sentisse dor, você optaria por demonstrar seu amor deixando-o aprender suas próprias lições?

- Claro, a dor seria parte do seu crescimento. Só assim ele aprenderia.

- Exatamente.

sábado, 4 de setembro de 2010

pipocado por Lilian às 1:23:00 AM
e então... 
1 comentários Links para esta postagem

O futuro a Deus pertence

(A verdade escondida por detrás do ditado popular)

Temos sonhos e planos. Temos desejos e vontades. Almejamos um alvo e então passamos a insistir nele. Se pararmos para pensar, vivemos mais o tempo futuro do que o presente. Como se pressionássemos o botão do piloto automático de nossas vidas constantemente. Um foco! O ser humano é atraído por focos. Especialmente a geração jovem. Focamos profissão. Focamos estudos. Focamos empregos. Focamos concursos. Focamos medalhas. Focamos viagens. Focamos namoro. Focamos casamentos. Focamos coisas e mais coisas. E assim, se temos um foco, logo traçamos um caminho para se chegar até ele. Não há nada de errado nisso, é justamente nessa fase da vida que tudo acontece. Que o seu caráter e a sua personalidade passam por transformações. Que suas maiores e principais decisões são tomadas. A questão é que tudo isso nos faz olhar o futuro, e deixarmos o presente de lado. Viva, corra atrás, faça acontecer. Deus te fez com o propósito de te ensinar a buscar conquistas e vitórias na vida, desde que estas agradem a Ele.

Foque coisas, almeje sonhos, faça planos. Acredite em você. Porém, uma coisa te digo: Nada disso tem valor se fizeres sozinho. Não entendeu? Vou explicar... traçar metas e objetivos é essencial na caminhada da vida. E quando eles são alcançados temos a sensação de missão cumprida misturada com alegria. Não há nada tão bom do que realizar sonhos. Agora melhor ainda é a sensação de realizar sonhos que desde o seu projeto foram cuidados e planejados por Deus. Certa vez li uma frase que dizia algo do tipo “Melhor do que sonhar e realizar nossos sonhos, é sonhar e viver os sonhos de Deus”. Em Provérbios 3 diz que devemos lembrar de Deus em tudo que fizermos, e Ele nos mostrará o caminho certo. Logo mais a frente, em Provérbios 16, essa palavra se testifica na citação de que o coração do homem pode fazer planos, mas é o Senhor quem dá a última palavra. E Ele faz isso por amor, porque sabe o que é melhor para nós. Porém, nosso Deus não é um Deus autoritário e possessivo. Ele não vai invadir sua vida sem sua permissão. Então, para que você desfrute da tranqüilidade de entregar seus sonhos nas mãos dEle é preciso que você se permita isso. É necessário deixá-Lo cuidar de Ti. Em outras palavras, é necessário desativar o piloto automático em troca de uma direção mais segura. A partir do momento que você permitir isso, acredite... o seu futuro estará em boas mãos. Ou melhor, nas melhores mãos. E quanto ao seu presente, este será melhor aproveitado por você mesmo.

Pense nisso, se o hoje não fosse uma dádiva, ele não receberia o nome de ‘presente’. O desejo do Pai para sua vida é que você aproveite o momento de agora da melhor forma a fim de que seu futuro seja agradável. Entregue o seu amanhã, pois são as decisões do hoje que farão diferença nele. Então nesse momento presente decida-se por confiar plenamente em Deus. Não vou te iludir dizendo que tudo será flores e calmaria, haverá provações e choro também. Mas pense pelo lado de que isso tudo é uma experiência com Deus. Que tudo faz parte de um tratamento e transformação do seu caráter para o futuro. Cada propósito de nossa vida faz parte de um propósito maior, de um plano maior. Um plano no qual só poderá se concretizar com a sua permissão em optar por deixar Deus agir. Não há necessidade de você ficar angustiado por coisas futuras, se sentindo perdido, ansioso e sem esperança. Essa preocupação não foi feita para você. Esse fardo não é necessariamente seu. Quando Deus diz , na Palavra, que troca o seu fardo pesado por um fardo leve... ele simplesmente quer dizer: “Meu filho, eu sou seu Pai e te amo. Descanse no cômodo da confiança, enquanto eu arquiteto a casa e trabalho na reconstrução dela”.

Hoje, no tempo presente e visando o tempo futuro, você tem duas escolhas: Ou confia no Mestre de obras ou tenta você mesmo encaixar os tijolos.

Por Lilian Fernandes Pires

p.s: Hoje faz 1 ano que posto aqui no Yoki! =D

sexta-feira, 3 de setembro de 2010

Quero ser feliz, quem não quer?

pipocado por Vitor Vieira às 5:43:00 PM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem

O que agente faz da vida se não buscar a felicidade? Até hoje não achei ninguém que já não quis ser feliz. Muitos dizem que está na sua frente, outros, que está em cima de nossas cabeças, muitos outros, insistem que está em um baseado ou em um copo de cerveja. Não vou defender nem meter pau em nenhuma dessas idéias, tenho meus ideais como qualquer outro, não curto transforma-los em uma arma e duelar com alguém. Vo levando minha vida do jeito que da e fortalecendo os manos. Mas tá certo que ficar de boca fechada, olhando o cara acelerar para um buraco tá errado velho.

Sei que é difícil acreditar, mas esse mundo ainda vai mudar. Tava fugindo de política, mas nessa época é difícil. Situação é sinistra nessa parada, peço a Deus cara, que não entre um maluco aqui que ferre mais ainda o Brasil.

To um dia atrasado, mando uma desculpa ai a quem lê. Um abraço e espero que encontre a felicidade, não desiste não mano.

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Eu posso explicar...

pipocado por Pércio Faria Rios às 1:02:00 AM
e então... 
3 comentários Links para esta postagem
Momento importante para o Brasil: aspirantes a políticos surgem tentando explicar o que podem fazer pelo país; outros, que já passaram da oposição para a situação, tentam explicar o que não fizeram, magicamente, querendo que vejamos seus prodígios inexistentes numa atitude puramente valdemiriana; dissidentes ainda, vivem de tentar explicar racional e estatisticamente quais são as melhores opções para a pátria, amada e idolatrada, mantendo alguma esperança ou acabando com todas elas; há também os palhaços que não tentam explicar coisa alguma.
Inspirado por esse cosmos, decidi que não postaria absolutamente nada no The New Yoki Times no mês de agosto, entre aspas. Pensei que seria importante testar a minha habilidade política: não vou postar coisa alguma, mas vou me explicar, fazendo com que todos pensem que postei algo genial. Entretanto, dois motivos me fizeram desistir dessa ideia: a consideração que tenho a vocês, leitores; e o Rubem Alves. Consideração sim, porque ao usarem-se desses artifícios, os políticos fazem o povo de burro, de bobo; e creio que isso só seja natural porque as massas ainda não sabem disso, caso contrário, tal atitude seria vista como uma ofensa. E o Rubem Alves também, por ter atiçado a minha consideração e mostrado que há explicações que são piores que uma ofensa...
"O rei estava reunido com o seu ministério e tratava de dar explicações duvidosas para uns gastos com banquetes gastronômicos. Os ministros, sem acreditar, faziam de conta que acreditavam. Mas o bobo, um dos ministros do rei (todo governo deveria ter um bobo da corte...), deu uma risadinha e comentou em voz alta: "Majestade, há explicações que são piores que uma ofensa...". O rei ficou furioso, expulsou o bobo e declarou que, se ele não explicasse essa declaração absurda até o fim do dia, iria passar uma semana no calabouço. O bobo sumiu. O rei, cansado, ao fim de um dia de explicações, ia sozinho por um corredor do palácio, corredor esse decorado com grandes colunas de mármore. Atrás de uma delas estava o bobo escondido, pronto a provar sua tese. Quando o rei passou, o bobo pulou e agarrou as nádegas do rei. O rei deu um grito de susto e raiva. E o bobo se desculpou: "Perdão, Majestade, eu pensei que fosse a rainha...". Estava provada a tese de que há explicações que são piores que uma ofensa."
 
***

PS.: apesar de parecer, este post não é alusivo ao voto no Tiririca.
 
PS(2).: a história do rei e do bobo foi tirada do livro "Ostra feliz não faz pérola", do apaixonante Rubem Alves.

sábado, 28 de agosto de 2010

Hell

pipocado por Gabriela Leite às 1:29:00 PM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem
É recomendado que se leia os posts anteriores a este. (1º) Hearth e (2º) Heaven 

Tudo que a gente fazia era com boas intenções, mas as coisas aconteciam e os anos desacumulavam. O mundo é muito confuso para um viciado.
Mas você continua se agarrando ao conceito de mudança.

- Ei, Schumann, estamos pensando em ir para o norte do país, por um tempo. Experimentar Metadona.
- Que diferença faz?
- O ar é mais limpo, para começar.

-''-

- Vocês nos chamam para vir aqui, e tem a cara de pau de não servir a comida na hora certa?
- Sai do meu pé, mãe!
- O problema não é nem a comida! É esse seu jeito.
- Vamos nos acalmar, o almoço sai em menos de uma hora. Quem quer vinho?
- Esse frango está congelado, não comeremos antes da meia-noite. E onde estão os legumes?
- Vamos nos acalmar por um momento?
- O que você acha que é? Almoço de domingo é algo muito simples, mas com você nada é simples. São essas drogas! As drogas são sempre prioridade!
- Isso não é verdade. A gente ta indo muito bem.
- Você tem ideia do que fez a minha família? Comigo? O que aconteceu com aquela linda garotinha?
- O que aconteceu? Não está vendo? Você não entende? Não consigo relaxar minhas mãos desde os seis anos de idade! Olha meus punhos.  Olha sua vaca! Não consigo abrir minha mão.
- Candy, foi um ano difícil. Você perdeu um filho. Mas estão endireitando suas vidas, eu estou vendo.
- Sumam daqui! Caiam fora! Esqueçam o almoço!

-''-

- Dan, esse é o Paul.
- E aí?
- Ele tem maconha da boa.
- Legal vão fumar agora?
- Não sobrou nada.
- Então vou tomar uma cerveja.
- Também não sobrou nenhuma.
- Vamos pegar mais maconha.
- A gente vai jantar ou não, Candy?
- Coma você. Eu não quero.
- Quer dinheiro? Eu recebi.
- Não precisa não, amigo.

-''-

- Candy, onde você estava?
- Não estrague tudo com seus comentários negativos.
- O que você está fazendo?
- Voltando a pintar. Isso não significa nada para você?
- Transou com aquele cara?
- Você não sabe do que está falando.
- Onde esteve a noite toda?
- Longe de você.
- Transou com ele, né?
- Em primeiro lugar, você não sabe do que está falando. Em segundo lugar, odeio o som da sua voz. E em terceiro lugar, por que não sai do meu pé?

Era uma vez, Candy e Dan. As coisas estavam quentes naquele ano. A seiva derretia nas árvores. Ele escalava sacadas.
Ele escalava tudo, fazia qualquer coisa por ela. Ah, Danny querido. Milhares de pássaros minúsculos enfeitavam o cabelo dela.
Tudo era dourado. Uma noite, a cama pegou fogo. Ele era lindo e ótimo criminoso. A gente vivia de luz e de chocolate. Era tarde de extravagante de leite.
Os últimos raios de sol do dia passeiam feito tubarões. Eu queria tentar do seu jeito desta vez. Você entrou na minha vida rapidinho, e eu gostei.
A gente se retorcia na lama de nossa alegria. Minhas coxas ficaram molhadas com liberdade. Então, houve um intervalo. E toda a Terra tombou.
É o que interessa, é o que a gente quer. Com você dentro de mim, reconheço minha morte. Talvez a gente nunca mais durma. O monstro da piscina.
É da natureza do cão. Com gatos, galinhas e feijão. Onde quer que eu olhe. Às vezes, eu te odeio. Sexta-feira. Eu não falei para valer.
Mãe do azul, anjo da tempestade. Você apontou para o céu. Demanda. Oferta. Aquela se chama Sirius, ou Estrela do Cão. Ha ha! Maldito, Ha!
Você é maldito, Dan. Um vaso de flores ao lado da cama. Machuquei sua cabeça na cabeceira da cama. Mas o bebê morreu pela manhã. Nós demos um nome a ele.
O nome dele era Thomas. Coitado desse pequeno deus. O coração dele bate feito um tambor de macumba. Era uma vez, Candy e Dan. Foi apenas dois deles.
Tudo era ouro. Ele era lindo e um ótimo criminoso. Nós vivíamos sob a luz do sol e barras de chocolate. Ele escalava sacadas, escalava tudo, faz qualquer coisa por ela. Oh Danny. Mas Danny, você disse, você prometeu. Você observou o céu, aquele chamado Sirius ou Estrela-cachorro, mas aqui na Terra. Quanto eu amo esse murmúrio nas minhas orelhas. Uma vez que existir uma coisa para amar e não pode ser você. Danny, meu pequeno travesso. Candy desapareceu. É um mundo sujo Reich, diga o que quiser dizer.

Dan prometa que vai parar. Prometa que vai parar antes de mim. - Casper

- Dan? Candy está no hospital.

-''-

E foi isto. Tudo se espalhou pelo vento. Casper se fora. Schumann se perdera. Candy estava se recuperando no litoral. E eu fiquei, eu fiquei.
O mundo estava repleto de novas idéias assustadoras. Mas eu não conseguia pensar. Não conseguia respirar. Ficava esperando-a voltar. Porque ela era tudo.
Ela era tudo pra mim.

-''-

- Dan, você tem visita.
- Diga que não estou.
- Ficou maluco?
- Diga que eu já sai.
- Seu amigo está aqui. Ele já vem.
- Oi, Candy.
- Oi.
- Pensei que fosse amanhã.
- Não consegui esperar. Ta tudo bem?
- Você está tão linda.
- É o ar do interior. Dan está tudo bem. Estou aqui agora.
- Não tem volta. Se conseguir a anulação acho bom lembrar que foi amigável...



Danny, o destemido.
Candy desapareceu.

P.S Autor desconhecido 

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Batendo palma pra palhaço

pipocado por Lucas Lindão às 5:50:00 PM
e então... 
1 comentários Links para esta postagem
Galera, sei que pode parecer preguiça, ou algo assim. Mas tudo que eu ia dizer aqui está nesse vídeo abaixo, então é melhor vocês mesmo assistirem. O que eu queria ressaltar nesse vídeo, principalmente, é sobre a Educação mesmo, que filho de Presidente tinha que estudar em colégio público, pra só assim ele dar valor à educação.

http://www.youtube.com/watch?v=dAQkMjebkeA

terça-feira, 24 de agosto de 2010

A Arte do Silêncio

pipocado por Gabriela Leite às 9:08:00 PM
e então... 
1 comentários Links para esta postagem
Eu me pergunto qual deveria ser o objetivo dos compositores eruditos. Sem dúvida muitos deles por terem a habilidade musical, buscaram fama e prestígio. Baseando-se no mais antigo, como Plestrina, Salibri ou Bach, eles escreviam músicas direcionadas a Deus, ou para a Igreja. Será que todas elas não seriam de cunho popular? Como a técnica tem um sentido mais profundo se é superficialmente ligada ao entretenimento? Schubert revolucionou o modelo de orquestração com a ajuda de um príncipe (não me recordo o nome), padronizou o modelo de quatro movimentos, 1º Allegro, 2º Lento ou Adagio, 3º Minueto e o 4º e último Vivace ou Presto. Ele também padronizou o quarteto de cordas, e que, aos 38 anos já tinha feito mais de  83 músicas para quartetos. Cada um com seu modelo, Bach, Haydn, Mozart, Chopin  Debussy, Beethoven, Wagner, Rachmaninoff entre outros marcaram a música com seu estilo próprio, Chopin com suas harmonias e sentimentalismo no modelo Contable, Rachmaninoff com seus acordes e expressões fortes, Mozart com suas variações inovadoras para a época e Debussy com seu hexafonismo. As variações dos modelos são modificadas por período e o nosso período ainda não está maduro o suficiente, com todo o conhecimento, com tantos livros e estudos, a arte contemporânea é vazia e pobre de significado. Os mestres da música ou da pintura contribuíram imensuravelmente para o desenvolvimento dos mesmo, não sei como será o futuro (e hoje mesmo), tudo está se tornando mecânico, rápido e sem sentimentos, como esse texto.

Texto feito por Fábio Bruno. 
Por algum imprevisto, o mesmo me pediu para que estivesse digitando seu texto e postando. Então, o nome é meu, mas não é meu dia, nem meu texto e sim do nosso caríssimo, Fábio que resolveu postar hoje. 

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Ele é o cara

pipocado por Neto às 6:00:00 PM
e então... 
1 comentários Links para esta postagem
No ultimo dia 15 fui à rodoviária com um dos maiores caras que já conheci: O grande Diego Augusto.
Diego foi pra Universidade Federal do Rio de Janeiro realizar um de seus grandes sonhos, fazer Física.
Não sei por que resolvi escrever esse texto pra ele, talvez seja porque escrever é uma forma de dizer esse meu carinho por ele.
Diego é um cara de opinião, aprendi muita coisa com ele durante esse tempo que esteve aqui em Itaperuna . Aprendi que se eu realmente quero ser um profissional bem conceituado, preciso dedicar minha vida .
Aprendi que se eu quero uma coisa eu devo lutar com todas as minhas forças.
Aprendi que irmão a gente não escolhe e muito menos perde pra UFRJ, Deus guarda.
Quando penso sobre aquela atitude dele de não ir pra Viçosa, vejo que Renato Russo estava coberto de razão quando disse: “Nunca deixe que lhe digam que não vale a pena
Acreditar no sonho que se tem”.
Dedico esse texto a todos os meus amigos.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Hearth

pipocado por Gabriela Leite às 11:00:00 AM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem
É recomendado que se leia o post anterior a este. Clique aqui

Dizem que para dez anos de vício, o viciado fica sete esperando.

- Preparo uma dose para você
- Eu mesma preparo
- Qual é o seu problema?
- Você é o meu problema.
- Vai ficar menstruada?
- Não, Dan. Eu quase não fico mais menstruada. Meu corpo está uma bagunça graças ao pesadelo em que você me meteu.
- Apontei uma arma pra sua cabeça, foi?
- Vai se foder!
- Vai você, Candy!
- Vai se foder dez vezes!

Era bom saber que sempre quando as coisas complicavam o Casper sempre estava lá.
Nosso porto seguro na tempestade. Nossa casinha feita de doces.

- Casper, o que você sabe sobre o mercado gay?
- Mercado em crescimento.
- Importa se eu fizer algumas perguntas técnicas?
- Não há nada que eu mais queria discutir com você.
- O que eles esperam que eu faça?
- Tem um ponto lá no parque. Por que você mesmo não vai lá fazer uma pesquisa?
- Quer dizer.. Se eles estão pagando.. Esperam que você fique de pau duro?
- Ajuda.
- Porque eu acho que não poderia.

-''-

- Eu consegui Candy! Eu consegui porra! Deus, você vai me amar. Olha sete mil! Foi sensacional!
- Dan? Estou grávida.
- Merda, Candy. Merda. Será que não é..
- Não. Eu saberia se alguma camisinha tivesse estourado. Foi quando eu machuquei sua cabeça.
- Merda.
- Que estranho. Uma única noite. Posso fazer um aborto.
- Não. Nem pensar. Isso é bom. Estava escrito. É disso que precisamos.
- A gente precisa parar de usar.
- É. Claro!

A gente sabia o que tinha que fazer, mas é preciso planejar muito para parar.

- A última para dar sorte. A gente consegue Candy. É como uma ponte. Assim que atravessarmos vai ficar tudo bem.

4º dia

- Ei, tudo bem.
- Não consigo Dan.
- Volte para a cama, vai pegar um resfriado.
- Casper, é a Candy. Ligue assim que ouvir este recado. Já tentei no seu celular. Sei que mandamos nos ignorar enquanto passávamos por isto. Já faz 3 dias. A gente até que foi bem. Não estamos nos sentindo muito bem. A gente não quer que você nos ignore. Você ta aí? Atenda se estiver aí. Atenda! Merda. Merda. Merda.
- Kodjak? É a Candy. Estou muito doente. A gente só precisa de crédito. Posso trabalhar um turno depois te pago. Se eu trabalhar um turno posso pagar isso também. Não posso trabalhar doente desse jeito! Ok, tchau! Vaca de merda.
- Candy? Candy?
- Atende, por favor! Ele ia atender.
- Me dê o telefone. Coloque suas coisas na mesa.
- Não! Eu quero o telefone! Por favor, Dan!
- Espera. A gente consegue. Candy, você está sangrando. Por que você está sangrando?
- A bolsa estourou. A cérvice dilatou era o que a gente não queria que acontecesse. Aborto espontâneo não tem volta. Saiba que o bebê não vai sobreviver.

- Me dê Pethadine! Eu quero Dan.
- Vai dar Pethadine ou não? Ela está com dores. Não está vendo?
- Posso segurar? Doutor, a perninha mexeu.
- Foi um espasmo.

***

P.S Último capítulo no próximo post (28/08/10)
P.S² Autor desconhecido

terça-feira, 27 de julho de 2010

Até Quando?

pipocado por Lucas Lindão às 11:35:00 PM
e então... 
0 comentários Links para esta postagem
Dia 27 hoje. Ontem era meu dia postar, mas esqueci outra vez. Sei que o pessoal aqui tá meio bolado comigo porque esqueço a data e posto coisas aparentemente insignificantes.
Enfim, estou escutando música. Toda vez que fico na internet, ou fora, escuto música. Eu amo a música. É uma das coisas que mais gosto na vida. Ela te faz se sentir melhor, te faz lembrar de coisas e pessoas, te faz pensar na vida e por aí vai. Esses dias eu descobri uma das músicas cuja melodia é uma das mais lindas que conheço e deixei no Yokitube. Recomendo!(Lifehouse-Blind). Eu ia falar sobre política nesse post, mas o Netto já postou. Ah, não to nem aí, vou falar assim mesmo! Resumindo o que eu ia dizer sobre, acho que a política hoje não devia preocupar em avanço nas construções, e sim na inclusão social. Precisa incluir essa galera que tá de fora. Creio que assim iria resolver metade dos problemas. Acho que devemos fazer pelos outros mais do que fazemos a nós mesmos. As pessoas só pensam em si mesmas, a ganância cresce a cada dia. E a situação do Brasil não muda. Essa droga da miséria ainda é frequente no nosso Páis. Até quando iremos viver isso? Acho que só piora daqui pra frente. Vamos lembrar de fazer o bem, precisamos fazer nossa parte, mesmo que a maioria não faça. Se você quiser doar 1kg de alimento, clique AQUI. Não irá gastar nada, o alimento será doado por uma empresa. Irá fazer toda a diferença pra quem for receber. Até a próxima.
 

The New Yoki Times Copyright 2009 Reflection Designed by Ipiet Templates Image by Tadpole's Notez | Blogger Templates